terça-feira, 21 de Outubro de 2014

CELEBRITY REFLECTION ESTREIA E COM O INDEPENDENCE OF THE SEAS

O navio de cruzeiros Celebrity Reflection, da Celebrity Cruises, visitou hoje pela primeira vez a ilha da Madeira, em viagem transatlântica do Mediterrâneo para as Caraíbas.
Procedente de Civitavecchia para St. Kitts, o Reflection esteve no Funchal na companhia do Independence of the Seas, da Royal Caribbean, empresa mãe do grupo RCI que faz parte também a Celebrity, a Azamara, a Pullmantur, a Croisières de France e a TUI Cruises. No cais norte do porto do Funchal o AIDAstella.






domingo, 28 de Setembro de 2014

QUE VENHA UM FERRY PARA A MADEIRA

Tem vindo a público o assunto do ferry da Madeira para o continente. Não é de hoje. O tema deveria merecer a atenção e preocupação de todos, enquanto ilhéus, particulares ou empresas. A Madeira e os Açores continuam a ser as únicas ilhas europeias sem ligações de passageiros por via marítima. Figura triste num país que foi de descobridores e hoje quase sem vocação marítima.
Em vários fóruns, onde escrevi ou falei, sublinhei sempre está triste realidade. Factores vários terão levado a esta situação, desde o desinteresse dos próprios ilhéus, coagidos por correntes de opinião de que o avião é que era o rei dos transportes de passageiros, até à retração de investimento num navio deste tipo por parte dos armadores portugueses, associada à passividade das entidades competentes, regionais e nacionais. Nada mais errado já que por essa Europa, e mundo, coexistem diferentes tipos de transporte´que fomentam as necessidades de cada passageiro e da própria economia local.
Com o desenvolvimento da aviação e com a inauguração do aeroporto da Madeira (1964), as ligações para Lisboa foram interrompidas no início dos anos setenta pelo paquete Funchal e só retomadas em fins de 1977, pelo navio Niassa, na sequência do desastre aéreo em Santa Catarina, de Novembro de 1977, que afastou inicialmente muitos passageiros de viajar de avião. Mas em 1978 a Madeira voltava a ficar sem navio de passageiros para o continente, e viajar de mar para Lisboa só era possível nos cargueiros Madeirense e Funchalense que tinham uma capacidade até 12 passageiros. Retirados do serviço no início dos anos 90, só o porta-contentores Pico Castelo, da Empresa de Navegação Madeirense, também transportou idêntico número, mas por pouco tempo.
Como é lógico, não é esta  a solução de transporte, de carga e de alguns passageiros,que deve ser preconizada. Pergunto-me vezes sem conta como é que todas as outras ilhas têm ferries e nós não? E com distancias semelhantes que envolvem pernoita a bordo. Estará a razão deste ou do outro lado? Claro que a pergunta é irónica. Basta lembrar que no fim dos anos 50 quando o Funchal foi projectado para a Insulana de Navegação se pensou na hipótese de ser um ferry para as ilhas. E como tudo teria sido diferente.
Basta lembrar o bem que fez a esta ilha os navios ferry da Fred Olsen, Black Prince, Black Watch e Blenheim, que entre 1966 e 1986, ligaram a Inglaterra à Madeira e às Canarias. Transportaram turistas, emigrantes, mercadorias, e mais não transportavam porque, por cá, continuava a não existir rampas de embarque. Lembrar que estes navios noruegueses estavam isentos de pilotagem.

No fim da década de 80, o armador nacional Portline trouxe para a Madeira, pela primeira vez, um navio com rampas roll on roll off, desembarcando desta forma automóveis que chegavam ilha a um custo bem mais económico, além de outras cargas rolantes. Algum tempo depois, o Cidade de Funchal deixava esta linha após inviabilização sobre este tipo de descarga no porto do Funchal. Até então nenhum outro armador havia experimentado esta opção de transporte e muito menos de trazer um ferry, evocando sempre que a ilha não  precisava de navios de passageiros e que a operação seria deficitária.
Em 2008, o armador espanhol Armas lança a primeira ligação ferry para o continente, numa lógica de entrar para a península (Espanha) via Portimão e com escala no Funchal, reforçando assim os laços com a Região depois das ligações também para Canárias, já realizadas nos anos anteriores. São públicos e estão na memória recente os condicionamentos colocados à operação ferry, que até então nenhum armador local ou do resto do país havia tentado. Limitação de atrelados, queixas sobre a utilização do porto do Funchal, constantes operações alfandegárias, entre outros. Até que em Janeiro de 2012 a Naviera Armas abandona a ilha.  A Madeira volta a ficar sem ferry para o continente. Sempre e até aqui, a mentalidade da estiva tem vindo a predominar, com uma ligeira evolução graças às caixinhas multicolores, que viajam nos porta-contentores, e que tanto "pulam" de um lado para outro, encarecendo o transporte. Pelo país marítimo que fomos e pelo que representa a Madeira para o início das descobertas merecíamos mais. Nada evoluímos e quisemos foi manter os contentores da mesma forma que são transportados desde os anos setenta, com um sem fim de operações portuárias e terrestres.
Por cá e pelo continente houve uma aversão à compra de um ferry sustentada na justificação de que o prazo de amortização do investimento seria muito superior ao de um navio de carga com custos menores e lucros mais rápidos. E o interesse das ilhas? E a continuidade territorial? E o próprio interesse da economia regional a médio-longo prazo?
Há vários tipos de ferry pelo mundo fora. Com mais ou menos capacidade de passageiros, de automóveis ou de mercadorias. Com mais ou menos velocidade. Mais ou menos modernos.  E não há nenhum para a Madeira e para os Açores? Onde está a verdade? Queremos todos um ferry. Começa por cada um de nós, ilhéus ou não. Não se trata de lirismos. Um ferry é útil para qualquer ilha e um serviço amigo do ambiente, com operações de transporte mais rápidas e com menos intermediários. Até transportando o seu próprio automóvel.

Texto e fotos: Luís Filipe Jardim

sábado, 5 de Julho de 2014

REVISTA CRUZEIROS OFERECE CRUZEIRO

A revista Cruzeiros lançou mais um número. Um atraso compensado pela oportunidade de ganhar um cruzeiro para duas pessoas bastando participar num passatempo que vem na revista. Tema de capa os 100 anos do canal do Panamá. Merecem também destaque o novo Regal Princess, da Princess Cruises, o "boom" de navios de rio e a visita dos 3 Queens da Cunard a Lisboa.

sábado, 12 de Abril de 2014

CHEGAR PARA A FESTA DA MADEIRA

Chegar a um porto, a uma cidade, entrar numa baía, está entre os bons momentos de uma viagem de cruzeiro... E chegar e estar acompanhado por mais onze navios à capital de cruzeiros que há mais anos festeja a passagem de ano ainda melhor. Leia a crónica de viagem nesta edição da CRUZEIROS da viagem do navio Funchal.

sexta-feira, 21 de Março de 2014

CRUZEIROS 12 COM ARTIGO SOBRE O FIM DO ANO NA MADEIRA

A presente edição da CRUZEIROS começou hoje a ser distribuída no continente português chegando à Madeira na quarta-feira. Este número oferece um vale de desconto de 100 euros para reserva de camarote no Oásis of the Seas na partida de Barcelona de 13 de Setembro, naquela que é a época de estreia europeia do maior paquete do mundo. Se não encontrar a revista e estiver interessado por favor escreva para geral@cruzeirosonline.com O numero 12 da CRUZEIROS contempla um artigo sobre a chegada à baía do Funchal para assistir a uma das mais bonitas passagens de ano do mundo. O Norwegian Getaway é o grande tema da revista, não fosse o primeiro navio de 2014. Destaque ainda para os outros navios que entram ao serviço este ano, para os 10 anos do Queen Mary 2 e ainda para as temporadas inaugurais na Europa do O
ásis e do Allure of the Seas.

terça-feira, 31 de Dezembro de 2013

FUNCHAL, MADEIRA, CAPITAL MUNDIAL DOS CRUZEIROS

O Funchal, ilha da Madeira, é hoje a capital mundial dos cruzeiros. Não há outra data que junte regularmente uma frota de paquetes de turismo para assinalar uma efeméride, e esta tão especial, como mais uma passagem de ano.
É assim desde longa data na Madeira. A baía do Funchal enche-se de cor, a cidade de mais vida, um centro cosmopolita. 12 navios vão estar  à meia-noite para a passagem de ano 2013-2014.

No molhe da pontinha estão os navios Aurora, Balmoral e Saga Saphire, no cais norte o AIDAblu, e ao largo os paquetes Marco Polo, Braemar, The World e Funchal.
Seguem-se as chegadas dos navios AIDAstella, Mein Schiff 1, MSC Fantasia e Saga Ruby, que entre a tarde e a meia noite vão pairar ao largo para assistirem ao fogo de artifício, um dos mais famosos em todo o mundo. Este ano destaque para o regresso do paquete Funchal à cidade que lhe deu o nome. Desde a passagem de ano 1974/75 que não estava neste dia na Madeira. BOM ANO!

quarta-feira, 25 de Dezembro de 2013

FUNCHAL TEMA DE CAPA DA CRUZEIROS

O regresso do paquete Funchal faz manchete na edição 11 da revista Cruzeiros. O navio da Portuscale Cruises regressa este mes à cidade que lhe deu o nome para assistir à tradicional passagem de ano na Madeira. Mas se o Funchal é exemplo de continuidade, o famoso navio da série o "O Barco do Amor" não teve a mesma sorte. O adeus frio de um dos navios que mais contribuiu para o sucesso dos cruzeiros é também tema de capa da presente Cruzeiros. O novo Le Soléal e o conceito de iate de cruzeiros de luxo merecem igualmente chamada de capa. O ano 2013 fica também marcado pela inédita operacao de reflutuação do Costa Concordia, num exemplo de até onde pode ir a capacidade humana, noutro tema de capa desta Cruzeiros.Entre os destinos sugerimos nesta edição o Canada e Israel. O porto estrangeiro escolhido é Port Everglades, na Florida, o segundo porto de cruzeiros mais movimentado do mundo. Leixoes e o seu rápido crescimento é também tema desta revista. A crónica de viagem do 3º cruzeiro da revista, aos fiordes da Noruega, no verão, preenchem também algumas páginas. O nascimento da Carnival Cruise Lines, empresa mãe daquele que é hoje o maior grupo de cruzeiros, e o projecto de hotel do Queen Elizabeth 2 fazem também esta edição da Cruzeiros. Nao perca mais uma Cruzeiros, por 3,90 euros, a primeira revista portuguesa dedicada a tão fascinante forma de viajar.

sábado, 19 de Outubro de 2013

ROYAL PRINCESS EM ESTREIA NA MADEIRA

O novo navio da Princess Cruises, entregue este ano pelos estaleiros Fincantieri, está de visita à Madeira naquela que é a primeira viagem transatlântica que realiza. Em escala no Funchal, o Royal Princess procede de Barcelona e viaja rumo a Fort Lauderdale, de onde vai operar para cruzeiros às Caraíbas.
Em Abril de 1989, o original Royal Princess, de 1984, actual Artania, visitava a Madeira pela primeira vez em viagem posicional da América para o Mediterrâneo.
Fotografias:Luís Filipe Jardim
 
 

quarta-feira, 7 de Agosto de 2013

FUNCHAL NOS ANOS SESSENTA

Numa altura em que tanto se fala do paquete Funchal, quis partilhar neste blogue, que criei há alguns anos, uma fotografia de autoria do meu pai, Francisco Jardim. Foi ele que me ensinou e contagiou o gosto pela fotografia, e a sua descendência marítima, também a gostar destas lides que me levaram a fotografar, escrever, e não só, a partilhar esta ligação com os navios e com o mar. Um bem haja a quem tornou possível o paquete Funchal continuar vivo. Desde logo George Potamianos, que quase até à morte, manteve o Funchal, integrado na Classic International Cruises. Tudo fez para que o navio continuasse vivo apesar da concorrência dos grandes navios e operadores, e das convenções (grandes) da SOLAS. Hoje Rui Alegre, fundador da Portuscale Cruises, que ao invés de um sucateiro qualquer ou afundador de navios, acreditou num paquete com 52 anos e refundou o velho Funchal. Se fosse um cidadão, por conta doutrem, talvez já em reforma antecipada... Não, o Funchal está vivo, e pronto para mais uns quantos, muitos, cruzeiros. A toda a força para vante paquete Funchal!!!

sábado, 3 de Agosto de 2013

Renovado Funchal passa fim do ano na Madeira

O paquete Funchal, da Portuscale Cruises, reinaugurado esta semana pelo primeiro ministro português, vai passar a noite de fim do ano na Madeira. Será a primeira escala depois da remodelação a que está a ser submetido em Lisboa. O Funchal é o 12º navio de cruzeiros a marcar visita para a famosa passagem de ano na Madeira. Foto: portuscale Cruises

segunda-feira, 14 de Janeiro de 2013

Funchal liderou escalas e passageiros em Portugal

Em 2012, o Funchal foi o porto português com mais escalas e passageiros de navios de cruzeiro. Foram registados um total de 592.935 passageiros, mais 52.755 em relação a 2011, que passaram na Madeira em 336 escalas de paquetes de turismo, mais 33 comparativamente ao ano anterior. O número de passageiros em trânsito foi de 581.048 turistas, enquanto os números de embarques e desembarques foram, respectivamente, de 5.823 e 6.064 passageiros.Entretanto, as previsões para este ano deixam antever um decréscimo de 45 escalas, isto é, 291 visitas. Lisboa foi o segundo porto português com mais movimento de cruzeiros, tendo um novo recorde de passageiros: 522.604 num aumento de 4% em relação a 2011. O aumento aconteceu graças ao maior numero de passageiros em trânsito (478.598 , mais 5,5%) já que as operações de embarque e desembarque diminuíram 10,8% no ano passado para 44.006 turistas. Apesar do total de passageiros ser superior aos números de 2011, no ano passado diminuíram as escalas que foram de 314, menos 17, a maioria canceladas devido a paralisações por greve no porto de Lisboa. Para 2013 a administração do porto de Lisboa prevê 364 escalas o que será um número superior ao de 2012.

sábado, 12 de Janeiro de 2013

Viagens pelo mundo com escala na Madeira

Os navios Costa Deliziosa, da Costa, e Adonia, da P&O Cruises, que passaram pelo Funchal, respectivamente ontem e hoje, estão a realizar grandes viagens pelo globo. O paquete italiano está a fazer uma viagem de circum-navegação indo pelo canal do Panamá e regressando à Europa pelo canal do Suez, a exemplo do Queen Elizabeth, da Cunard, que também passou esta semana pela Madeira. O Adonia está também a realizar uma grande viagem de 85 dias, à América do sul e central.
 

 

quarta-feira, 9 de Janeiro de 2013

Navios da Fred Olsen com Queen Elizabeth e AIDAbella

Mais um encontro na Madeira de navios da Fred. Olsen, desta vez os paquetes Balmoral e Boudicca. Em simultâneo, as escalas do Queen Elizabeth, da Cunard, em viagem de volta ao mundo, e AIDAbella, da Aida Cruises.